Buscando a notícia para você desde 2007 - Região dos Lagos - Ano 2017 -

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Cabo Frio - Cidade reforça combate a Dengue

A Secretaria de Saúde de Cabo Frio reforçou o combate ao mosquito transmissor da dengue. Diariamente os Agentes de Endemias realizam visitas domiciliares com o objetivo de vistoriar as casas, visando encontrar focos do mosquito, orientar a família sobre os cuidados com vasilhames e recipientes de água descobertos e, confirmados os focos/larvas, os agentes fazem o tratamento focal com aplicação de inseticida.




“Mesmo com as diversas ações desenvolvidas pelo poder público, a exemplo das visitas periódicas dos Agentes de Endemias é preciso que a população se conscientize e dê mais atenção aos cuidados diários em casa”, lembrou Rofran Cardoso, Coordenador de Combate a Endemias.




Para maior segurança dos moradores, Rofran Cardoso alerta ainda que os Agentes são identificados pelo uniforme, com bolsa amarela, calça jeans, boné branco e blusa branca.

“Os agentes estão usando este uniforme novo que foi entregue no mês passado. As bolsas são novas, blusa branca, calça jeans e boné. As equipes fazem visitas domiciliares, em imóveis fechados, atendendo reclamações e atuando em pontos estratégicos para o combate ao mosquito transmissor”, explicou.




Para Rofran Cardoso, é necessária uma maior colaboração da população, já que estão sendo encontrados muitos focos do mosquito nos quintais das residências visitadas pelos agentes.

“Muitos focos são encontrados em materiais que podem ser eliminados, como copinhos, sacolas plásticas, potinhos, pedaços de lonas, por exemplo. É importante que a população trabalhe junto com o poder público, pois estamos fazendo tudo o que é possível, mas sem esse cuidado dos moradores fica mais difícil”, declarou.




De janeiro até agora foram registrados pela Vigilância em Saúde de Cabo Frio 760 casos de Dengue, 96 de Chikungunya e 237 de Zika. Para o sanitarista Beto Nogueira, da Vigilância em Saúde, os números preocupam e a população tem que ajudar a combater o mosquito.

“Não temos como comparar os números de Zika e Chikungunya porque antes de 2016 essas doenças não eram notificadas. Em relação à Dengue o número está acima da média anual e fora das datas de padrão de ocorrência. Se a população não ajudar, fazendo a sua parte, esses números podem crescer. A prevenção é a única arma contra essas doenças”, explicou o sanitarista.

Controle a Vetores intensifica tratamento larvário em Cabo Frio


A Secretaria Municipal de Saúde também intensificou as ações de combate e prevenção não só à dengue, mas também a Chikungunya e Zika, através do Departamento de Controle a Vetores, que diariamente faz tratamento larvário em possíveis criadouros como áreas alagadas, charcos, ralos, galerias, salinas desativadas, valões e qualquer outro criadouro de larvas. O Setor de Controle a Vetores também trabalha diariamente com o Motofog Fumacê, que é uma ferramenta no combate a vetores urbanos.




“Nosso trabalho tem como objetivo diminuir índices de Zica e Chikungunya e controlar a população de mosquito Culex. O Setor de Controle a Vetores vem controlando larvas, e consequentemente, os mosquitos adultos, com as equipes que trabalham diariamente em todo o município. Já o Fumacê possibilita o controle e prevenção do mosquito da Dengue, Zika, Chikungunya, pernilongo entre outros vetores”, explica Alcides Cunha da Silva, Coordenador do Departamento.




O Setor de Controle a Vetores também faz atendimentos de dedetização contra roedores, pulgas e carrapatos em Cabo Frio e no 2° Distrito.





A Secretaria Municipal de Saúde alerta a população que a ação mais simples para prevenção da dengue é evitar o nascimento do mosquito, já que não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação, por isso, é preciso eliminar os lugares que eles escolhem para reprodução. A regra básica é não deixar a água, principalmente limpa, parada em qualquer tipo de recipiente. A dica é manter recipientes como caixas d´água, barris, tambores, tanques e cisternas devidamente fechados, e não deixar água em locais como: vidros, potes, garrafas, latas, pneus, além de outros locais em que a água da chuva pode ser coletada ou armazenada.



Texto: Alexandra Oliveira
Foto: Divulgação/PMCF