Buscando a notícia para você desde 2007 - Região dos Lagos - Ano 2017 -

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Alunos "perambulam" pelas ruas e mães estão perdendo os empregos por causa da greve

Nossa equipe foi visitar alguns Escolas publicas que estão em greve na Cidade de Cabo Frio. Conversamos com diretores, que não estão participando da paralisação e mães que reclamam da greve dos professores.

A oportunidade de trabalho, boa, teve que ser deixada de lado, pois Maria Auxiladora, moradora da Praia do Siqueira, reclama porque perdeu seu emprego.

" Faltei 3 dias por que não tenho com quem deixar meu menino. Se não tem aula como vou fazer, eu sou sozinha"

A diretora de um desses colégios vistados por nossa equipe falou. Mas ela com medo do sindicato pede que não coloque o seu nome na matéria.

"Tentamos segurar os alunos dentro da escola, mas é dificil sem professores. Eles vão em turma saindo por que os professores não não estão na unidade para dar aula. Alguns alunos não vão casa"

Nossa equipe flagrou muitos alunos "perambulando" pelas ruas da cidade. A maioria tem seus pais trabalhando e ficam passeando até dar a hora de voltar para casa.

Uma Dona de Casa, mãe de uma aluna, chegou na porta da escola da filha e recebeu a informação que até as aulas que eram dadas por alguns professores que não participam da greve não poderia ser mais dada por que o sindicato exegiu que o professor não desse mais as aulas de 7 as 9.

"Isso não é certo, eu estou deixando de r trabalhar para ficar com minha filha. Acho que Medico e Professores não deveriam fazer greve. Deveriam reclamar de outra maneira. Não apenas prejudica

o ano letivo dos alunos mas também, com essa violência que está em nossa cidade, uma porção de jovens fica na rua sem o que fazer.

Alem disso vou perder meu emprego que tenho de empregada domestica que consegui com muito custo, por que vou ter que voltar pra casa." Desabafou a mãe que teve que voltar.

Outra mãe falou com nossa equipe:


– Não posso deixar o meu filho sozinho em casa. Precisaria de toda a manhã para resolver, mas como ele volta mais cedo, não dá. Ele vai para assistir duas aulas e volta. Agora nem 2 aulas tem. A escola não pode ficar aberta até o meio-dia porque faltam funcionários na cozinha – relatou Regina R. Pessoa moradora do Jardim Olinda.

Pedro Paulo mora no Peró e tem um de cinco e outro de oito anos. Ele e Servente de obras. Sem poder contar com uma pessoa para cuidar diariamente das crianças, o rapaz precisou faltar ao trabalho ontem para ficar com a mais velha. Ele não tem como contar com a esposa, que é diarista e trabalha em dois lugares diferentes a semana toda.

– É complicado porque atrapalha muito (a greve). Atrapalha muito. Hoje eu tô perdendo serviço, eu ganho por diária. Nem pensar expor meus filhos ao risco – diz, referindo-se ao seu emprego.

Alberto se diz irritado com a direção do Sepe. Segundo ele, o movimento grevista é “político”, embora ele ressalte que também a prefeitura tem um pouco de culpa

"Sabemos que a crise está em todo o Brasil. acho que devia ter outra maneira do sindicato deles resolver isso. Sabemos que eles precisam de dinheiro mas e a gente?Tem muitos pais tendo problemas com isso e perdendo os empregos"

Alberto continua desabafando:

– Eles trabalham só para impedir o empréstimo, porque aí o governo deixaria de desviar o dinheiro da Educação, colocaria tudo em dia e eles perderiam o motivo para ficar em greve. Os pais sofrem muito. Os professores só estão pensando neles.

Temos um grande problema na cidade, mas continuar assim não da para continuar.

Ao terminarmos essa matéria o Prefeito de Cabo Frio estava marcando uma reunião com representantes de Pais de Alunos da Rede Municipal.


Redação
Foto ; Internauta