Buscando a notícia para você desde 2007 - Região dos Lagos - Ano 2017 -

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Aterro sanitário da Região dos Lagos vai fechar

Termina nesta terça-feira (31) o prazo dado pela empresa Dois Arcos, responsável pela administração do aterro sanitário em São Pedro da Aldeia, para as prefeituras de Cabo Frio, Armação dos Búzios, São Pedro da Aldeia, Arraial do Cabo, Araruama, Iguaba Grande, Casimiro de Abreu e Silva Jardim quitarem ou renegociarem as dívidas com a Dois Arcos. Segundo a empresa, se as oito prefeituras não resolverem a situação de imediato, a única alternativa será interromper as atividades.

A empresa também informou que, com os atrasos, para manter o funcionamento do aterro sanitário, que recebe cerca de 600 toneladas de resíduos por dia, é necessário gastar R$ 1 milhão. Segundo o administrador do local, André Martins de Lima, a Dois Arcos encontra-se em uma situação limite.

"Estamos em uma situação difícil. Nunca tivemos uma relação de valores tão altos como esse acúmulo de atrasos. Estamos em uma sitação limite onde não temos condições de continuar a operação", disse André.

O G1 entrou em contato com a assessoria de comunicação das oito prefeituras que utiilizam o aterro sanitário privado. As prefeituras de São Pedro da Aldeia, Armação dos Búzios, Araruama e Silva Jardim não responderam se estão negociando a dívida.

Já as prefeituras de Cabo Frio, Arraial do Cabo, Iguaba Grande e Casimiro de Abreu informaram que estão em contato com a direção do aterro sanitário e que o pagamento está sendo regularizado. A prefeitura de Casimiro de Abreu informou, também, que fez um acordo com a empresa e que já está pagando o débito atrasado. A prefeitura de Cabo Frio afirmou que está negociando com a diretoria uma dívida de R$ 9 milhões. A prefeitura de Arraial do Cabo informou que fez uma programação de pagamento para os próximos dias.

Extinção dos lixões
Inicialmente programado para 2014, o prazo de extinção dos lixões foi prorrogado para 2018. No entanto, um projeto de lei tramita no Senado Federal para que o fim dos lixões fosse realizado em etapas, de acordo com o tamanho de cada cidade.

Desta forma, capitais e regiões metropolitanas teriam até o dia 31 de julho de 2018 para encerrar as atividades nos lixões. Municípios com população superior a 100 mil habitantes teriam até o dia 31 de julho de 2019. Municípios com população entre 50 e 100 mil habitantes teriam até o dia 31 de julho de 2020. E, por último, os municípios com população inferior a 50 mil habitantes teriam até o dia 31 de julho de 2021. A votação do processo segue sendo aguardada no senado.


Fonte : G1
Foto   : Rafael Quintão